.mais sobre mim

Envia-me um e-mail

.pesquisar

 

.posts recentes

. Garrano

. Urso pardo

. Hamster

. O coelho

. Os Golfinhos

. Carta ao Verdinho - Escol...

. PATO-REAL

. A LONTRA

. O GANSO

. Melro-metálico

.arquivos

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds

|ESPAÇO CRIANÇA| |DICAS VERDES| |DIAS AMBIENTAIS| |ANIMAIS|

|PLANTAS| |AMBIENTE| |HISTÓRIAS E JOGOS| |SONDAGENS|
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

B.I. DO CISNE

 

 Figura 1  O cisne-mudo, Cygnus olor.

Fotografia in http://www.djsphotography.co.uk/BritishBirds/Swans.htm
 
Nome comum:Cisne, Cisne-mudo, Cisne-vulgar, Cisne-branco, Cisne-real, Patinho feio.
 
Nome científico:Cygnus olor (Gmelin, 1789)
 
Grau de parentesco: Os cisnes são aves que pertencem a uma mesma família, os Anatídeos, onde também se incluem os gansos e os patos, e possuem várias características em comum. O bico dos Anatídeos é de ponta arredondada e de perfil achatado. A plumagem desta família de aves, está preparada para ser impermeável à água. As asas com as pontas bem acentuadas e músculos fortes, permitem movimentos rápidos em voo. As patas, curtas e fortes, estão munidas de membranas interdigitais, uma mais valia enquanto procuram alimento na água.
 
Nome de Família: Todos os cisnes pertencem a uma subfamília conhecida por Cygninae. São aves voadoras grandes, pesadas, que apresentam um pescoço quase tão comprido quanto o resto do corpo, as patas apresentam coloração cinzento/negro, e possuem uma pequena zona entre os olhos e o bico que não tem penas. Algumas espécies de cisnes pertencentes aos Cygninae, são migradoras.
 
Porte:
O cisne-mudo é uma ave de grande porte, uma das maiores aves voadoras,  com cerca de 150cm de comprimento, 15kg de peso e quase 3m de envergadura. O corpo encontra-se revestido por plumagem branca, fazendo sobressair o bico alaranjado de ponta negra. Na parte superior do bico possui uma protuberância de cor negra e sem plumagem, e que de acordo com alguns autores, é maior nos machos e menos evidente nas fêmeas. Enquanto nada, o cisne-mudo mantém o pescoço numa graciosa forma de “S”, colocando frequentemente as asas em forma de escudo, dando-lhe uma aparência majestosa. Esta grande ave necessita de correr à superfície da água para conseguir levantar voo. Em pleno voo, destaca-se por manter o grande pescoço esticado e pelo som produzido pelas rémiges primárias, que pode ser ouvido a grande distância.
 
Nacionalidade:São aves parcialmente migratórias, optando pela residência as populações de cisne-mudo da Europa Oeste, e por migrar as da Europa Este e da Ásia Central. Pode chegar a percorrer mais de 1000 km até alcançar lagos de climas mais suaves. Esta espécie foi introduzida com sucesso na América do Norte, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia.
 
Morada:O cisne-mudo encontra-se tão à vontade no ar quanto na água. Prefere zonas húmidas, com cursos de água lênticos, como lagos e albufeiras. As margens devem ser de declive pouco acentuado de forma a facilitar a entrada e saída de água, pois a sua marcha em terra é bamboleante e algo desajeitada. Troncos submersos a pouca distância da superfície da água, são locais de eleição para cuidar da plumagem e dormitar um pouco. A abundância de vegetação aquática é de grande importância, pois é a base da dieta desta espécie. A vegetação reveste-se ainda de outras funções durante a época de nidificação, sendo o principal material de construção dos grandes ninhos.
 
Género:O cisne é um nome masculino, embora existam cisnes macho e cisnes fêmea, sendo os machos desta espécie, geralmente, de maiores dimensões do que as fêmeas. Os rituais de corte têm início na Primavera, e na água.
 
 

Figura 2 Corte de uma casal de cisnes-mudos.

Fotografia in http://www.mikephoto.com/royal-mute-swans-in-ontario-the-mating-ritual/ 
 
Filiação e Nascimento: O cisne-mudo forma casais monogâmicos pelo menos durante uma estação, mas nem sempre esta é a regra. Após o ritual de corte, construção e cobertura do ninho com penas do casal, o par mantém-se fiel ao território de nidificação. A fêmea realiza uma postura de 5 a 12 ovos, que incubará durante cerca de 35 a 38 dias. O macho defende ciosamente o território e o ninho contra a aproximação de qualquer intruso, inclusivamente do Homem e da própria espécie. Após a incubação, os pintos de cisne-mudo (patinhos-feios) estão prontos a seguir os pais para a água, no máximo, ao fim de um dia. Só passados 60 dias, estarão prontos para o primeiro voo, e até lá, serão guardados pelos pais tanto no ninho, como enquanto se alimentam e nadam. Sentido uma ameaça eminente, é frequente observar os pintos a recolherem-se debaixo das asas dos pais ou a subir para o seu dorso.
 
Figura 3 Patinhos-feios” – ninhada de cisne-mudo.
Fotografia in http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Mute_Swan_Cygnets_detail.jpg 
 
Os juvenis de cisne-mudo poderão ficar com os pais até à próxima época de reprodução, chegada a qual são expulsos pelos pais e encorajados a juntarem-se a bandos de cisnes ainda jovens, dando início à formação de laços com um par. Somente decorridos 3 anos terão capacidade de procriar.
 
Defesa e agressividade: O cisne-mudo deve alguma da sua reputação menos favorável, devido ao comportamento agressivo e territorial que demonstra, especialmente durante a época de reprodução. De facto, trata-se de um comportamento protector e de zelo pela sua ninhada. Com uma excelente visão e audição, é quase certo que o cisne-mudo detectará um intruso, por mais silencioso e cuidadoso que seja.
 
Figura 4 Cisne-mudo – Cygnus olor – em pose de investida contra intrusos.
Fotografia in http://www.natureconservationimaging.com/images/Mute-Swan-busking.jpg 
 
Idade:Podem viver cerca de 20 anos. Existem alguns registos de longevidades bastante elevadas para cisnes em cativeiro, cerca de 40 anos.
 
Certidão de óbito: Podem sofrer graves consequências da degradação e destruição do habitat natural. Alguns cisnes podem desenvolver várias doenças devido à má qualidade da água. Podem apresentar ferimentos resultantes tanto das actividades de caça como de pesca, especialmente devido a anzóis deitados fora no ambiente, como lixo, que engolem acidentalmente enquanto debicam a vegetação aquática.
 
Crenças:Na Grécia antiga, acreditava-se que o cisne era completamente mudo até à hora da sua morte, em que ao pressenti-la, cantaria o mais belo canto. O filósofo grego Sócrates, menciona que este canto seria de felicidade, pois a ave iria unir-se a Apolo, deus do canto e da poesia. O nome desta espécie, cisne-mudo, tem por base esta crença. De facto, os cisnes não são mudos ao longo da vida, e também não cantam ao pressentir a morte. As vocalizações desta espécie assemelham-se a arrulhos curtos, assobios abafados e sopros fortes.
  
Simbologia:Entre o Céu e a Terra, esta grande ave branca foi considerada um mensageiro dos deuses, um presságio de felicidade, e por isso nos céus existe uma constelação com o seu nome – a constelação de Cisne. No épico Edda, surgem as primeiras damas-cisne. Na heráldica, foi a cota de armas de grandes poetas e escritores, enquanto na fábula “O patinho feio” de Hans Christian Andersen, o cisne simboliza a transformação e evolução para melhor. A graciosidade do cisne foi também imortalizada no bailado “O Lago dos Cisnes” de Tchaikovsky.
 
 
Ana Caramujo Marcelino Canas
Bióloga Marinha do Fluviário de Mora
 
Fluviário de Mora
Educação – Falas do Rio
Joaninha Duarte
Medrar na Ribeira Raia
 
Adaptado de:
A colecção BILHETES DE IDENTIDADE, de acordo com ideia original da Prof.ª Doutora Ana Paula Guimarães.
 
O conceito dos BI’s dos Animais foi-me apresentado pela Mestre Joaninha Duarte, a quem agradeço muito, devo a amizade e com quem partilho muitos momentos felizes.
                                                                                  Ana     
 
Bibliografia consultada:
Bejjcek, V.; Stastny, K. 2002. Enciclopédia das aves. Central Livros, Lda. 1ª edição. 288p.
 
Bruun, B.; Delin, H,; Svensson, L. 1993. Aves de Portugal e Europa. Guias FAPAS. FAPAS. Porto. 320p.
 
Sauer, F. 1984. Aves acuáticas. Guias de naturaleza Blume. Editorial Blume,S.A. 1ª edicíon. Barcelona. 286p.
 
Sites consultados:
tags:
publicado por verdinho_naturezabrincalhona às 14:11
link do post | comentar | favorito